Críticas

Rodrigo Fonseca, crítico d’O GLOBO, fala sobre SUPER NADA

Segue a crítica, na íntegra, logo abaixo:

Como estou viajando em aula, para além do Além, fora da labuta regular em O GLOBO, não tive a chance de dar o devido destaque a um dos filmes brasileiros mais atraentes com que me deparei nos últimos meses: “Super Nada”, de Rubens Rewald. Mas quem ainda não teve a sorte de gastar umas duas horinhas com ele deve correr e valorizar esta produção, de teor crocante, vinda lá das nornes paulistanas.

Com CEP de SP, “Super Nada” fez a crítica do último Festival de Gramado, onde fez sua primeira exibição pública, acreditar na dobradinha entre a invenção e o humor. Um achado à parte – a presença do cantor Jair Rodrigues como ator – mostra que o cineasta Rubens Rewald teve a sobriedade de valorizar um ícone popular além-cinema como figura capaz de promover uma discussão sobre a cultura de massas no Brasil. Numa narrativa precisa, que em nenhum momento se deslumbra com a imagem quase folclórica de Jair, Rewald “orquestrou” um longa capaz de dialogar com a linhagem marginal de Sganzerla (“Abismu”) e Bressane (“O rei do baralho”) ao mesmo que traça, de modo realista e retilíneo, as agruras profissionais de um operário da arte: um ator de nome Guto, vivido por um dos melhores intérpretes do país na atualidade, Marat Descartes.

“Super Nada” é o nome de um programa de TV decadente, de uma emissora classe Z, no ar há anos, no qual um comediante metido a malandro, Zeca (Jair), requenta esquetes de tempos ancestrais, num formato à la “A praça é nossa” e seus congêneres. Mas mesmo ultrapassado, Zeca continua a ser um modelo para Guto, um ator que ganha a vida em pequenos bicos de atuação, engolindo fogo nos sinais ou exercitando seus movimentos corporais em exercícios de dramaturgia contemporânea. Com sua competência, Guto tem a chance de fazer um teste na TV, justo na trupe de “Super Nada”. E é nos bastidores das gravações e num porre de conhaque e outras vibes etílicas que ele desobre quem o verdadeiro Zeca é, numa relação especular fraturada entre ídolo e fã.

SN_Marcos_Camargo-0906

Rewald narra o trauma do sonho quebrado como um dos núcleos de uma dramaturgia de roteiro mais ambiciosa, na qual a preocupação em acompanhar a peleja laboral de seu protagonista é sempre o foco. Esse registro das empreitadas de Guto aferra “Super Nada” a uma forma onde o realismo é edificado com inteligência, num processo de observação similar ao feito por Luís Sérgio Person em “São Paulo S/A” (1965) ou por Roberto Santos em “O grande momento” (1957). As vicissitudes de uma profissão que tem na fama seu farol vão sendo descortinadas sem glamour, num olhar distanciado, onde as complexidades psicológicas e existenciais de Guto conquistam a plateia por si, sem badulaques – o que não é difícil tendo Descartes em cena.

Com o auxílio de Hélcio “Alemão” Nagamine na fotografia, Rewald cria no mímimo uma sequência antológica, na qual Zeca solta o corpo ao som de “Deixa isso pra lá” (hit mais famoso de Jair) enquanto corteja a namorada de Guto, vivida por uma estonteante Clarissa Kiste (sublinhe beeeeeeeem a palavra estonteante para a mocinha). Capaz de fazer da economia de recursos um cinzel para esculpir suas atuações, Clarissa compõe um gestual digno de Helena Ignez em “A mulher de todos” (1969).

Agudo e envolvente, “Super Nada” chegou com a dura tarefa de mostrar que “O som ao redor” não vai ficar sozinho na defesa da inteligência nas nossas telas. Depois que saquei a programação do É Tudo Verdade e vi que Victor Lopes e seu “Serra Pelada” está lá, minha expectativa para o cinema brasilis deste ano subiu, já que o gajo de “Língua” (2004) nos deve este projeto sobre o garimpo maldito há milênios.

E la nave va, meu povo.

p.s.: Apesar de algumas asneiras que andam dizendo por aí, “Oz: Mágico e poderoso”, de Sam Raimi, é uma atração obrigatória para quem curte a sensação de ser supreendido (na forma e no conteúdo) ao ver um longa madeinusa.

(Rodrigo Fonseca)

O crítico Rubens Ewald Filho fala sobre Super Nada, filme do diretor Rubens Rewald

Trecho do texto do crítico Rubens Ewald Filho sobre Super Nada:

Gosto do filme antes de tudo porque celebra com humor uma figura real e pouco conhecida que é o ator, que trabalha por ideal e convicção e que são realmente talentosos mas que nunca são descobertos porque não tem o tipo de galã ou adequado para a televisão. Mas que não desistem do sonho de um dia chegaram lá. São figuras quase sempre anônimas mas que tem todo meu respeito e admiração. Artistas de verdade.

(Rubens Ewald Filho)

Para ler a crítica completa, clique aqui.

Luiz Zanin, crítico do ESTADÃO, fala sobre Super Nada

Trecho da crítica sobre o filme Super Nada feita por Luiz Zanin:

O adjetivo para Super Nada, do cineasta e professor da USP Rubens Rewald é ‘surpreendente’. Pode-se ou não gostar do filme, mas não se pode acusá-lo de redundante ou pouco original. A surpresa começa com a escalação do elenco, na qual se vê o cantor de sambas Jair Rodrigues, que em priscas eras era chamado de “cachorrão”, e fazia parceria com Elis Regina no tempo do Fino da Bossa. Ele interpreta o papel de Zeca, ator que encarna o anti-herói Super Nada, do título. O outro personagem é Guto (Marat Descartes), ator de pequenos papéis, que sonha ser grande e faz todos os testes possíveis e imagináveis para ver se emplaca na profissão.

(Luiz Zanin)

Veja o texto completo.

Estadão: “A hora de Marat Descartes”

Trecho da crítica sobre o filme Super Nada no Estadão:

Quando se fala no talento e versatilidade dos atores brasileiros da nova geração, os primeiros nomes que surgem são os de Selton Mello, Wagner Moura, João Miguel, Lázaro Ramos. A eles é preciso agregar Júlio Andrade, melhor ator do ano passado pela APCA, Associação Paulista de Críticos de Arte, por Gonzaga, de Pai pra Filho, de Breno Silveira, e Marat Descartes, melhor ator no Festival de Gramado, também de 2012, por Super Nada. O longa de Rubens Rewald (codireção de Rossana Foglia) estreou na sexta.

(Luiz Carlos Merten)

Veja o texto completo.

 

 

 

Cinequanon: crítica

Trecho da crítica sobre o filme Super Nada no Cinequanon:

Talvez – se fosse realmente necessária a redução a uma só definição – possa se dizer que Super Nada é um filme caótico (do caos mesmo): e até faz muita força para ter ao menos fortes ligações com a desordem. Mas é desordem que se faz crescente (em imagens e situações conferidas no progresso natural de um filme projetado do início ao fim) com evidente consciência de que era por tal modelo de amontoação dos dados, que renderiam a configuração narrativa optada, que se queria ver o filme “dialogando” com os espectadores.

(Cid Nader)

Veja o texto completo.